quinta-feira, 11 de outubro de 2007

Como é que se diz: “ - Eu te amo” ?


Este 11 de Outubro marca o décimo-primeiro aniversário da morte de Renato Russo. Talvez por ele ter feito a trilha sonora de uma boa parte de minha vida e de muitos da minha geração, eu não canso de lembrar.
O texto abaixo foi postado no ano passado, nesta mesma data, e peço a vossa licença para reeditá-lo.

***

Eu me lembro como se tivesse acontecido ontem, mas já se passaram tantos anos! Era uma sexta-feira. Naquela época, todas as sextas-feiras eram especiais. Éramos tão jovens e tínhamos todo o tempo do mundo. As ilusões não haviam fenecido, e ainda era cedo para nós.

Aproveitamos o dia que prenunciava o final de semana para comemorar, saímos do trabalho com o sol ainda alto, devido ao horário de verão. Fomos para o nosso “bunker” tradicional, um dos inúmeros “pés-sujos” que ladeavam o nosso escritório.

Trabalhávamos duro durante toda a semana, segundo o “Yuppie way of life”, vigente naquele tempo , e buscávamos toda a diversão que algum veneno anti-monotonia pudesse nos proporcionar, nos tempos livres. Éramos jovens típicos daquele tempo. Hoje, um tempo perdido.

Discutíamos sobre tudo, desde a mais recente fofoca do escritório até Freud, Jung, Engels e Marx. E apesar de acreditarmos no futuro da nação, havia tanta sujeira nas favelas e no Senado (e por todos os lados) que sempre nos questionávamos: que país seria aquele? O Rio de Janeiro já prenunciava o faroeste caboclo que é hoje, mas ainda ficávamos até mais tarde nas ruas, conversando, bebendo, namorando... tentando descobrir como é que se diz: “ - Eu te amo” !

Lá pelas tantas, a rádio que municiava a música ambiente anunciou uma notícia tão inédita quanto improvável para nós: havia falecido naquela madrugada, por infecção pulmonar, o cantor, compositor e líder da Legião Urbana, Renato Russo.

Ícone e porta-voz de toda uma geração, da minha geração, Renato foi a voz, o cérebro e o coração de toda uma época. Sabíamos de seu recolhimento e das suspeitas de que ele estivesse com AIDS, mas o lançamento de um novo CD, “A Tempestade”, apesar de tão belo quanto soturno, nos havia dado um novo alento. Mesmo depois de ouvirmos o anúncio de sua morte, custávamos a acreditar. No meu canto, eu repetia internamente: eu não vou chorar, eu não vou chorar... Acho que todos daquela mesa estavam pensando o mesmo, porque ninguém ousava falar palavra sequer. Aos poucos, timidamente, alguns começaram a cantarolar baixinho, a música que estava sendo reproduzida no alto-falante, como se não houvesse amanhã.

A noite acabou e certamente não fugiríamos mais com ele, ficaram as honras e promessas, lembranças e estórias. Enquanto estávamos indo de volta para casa, eu me lembrava de uma frase dele que dizia que não devemos cultuar heróis porque até mesmo estes tem os pés de barro...

Contudo, eu não queria de forma alguma me desfazer de meu herói. Se fosse só sentir saudade, mas tem sempre algo mais e seja como for, mesmo com os seus pés de barro, eu rabisquei um sol na calçada, com a fugacidade de um giz. Ou da própria vida. Mas tudo bem...


***


Para matar as saudades, Ele junto ao Hebert Vianna, reconstruindo "Nada por mim":



***

Como não tenho atualizado com frequência, alguns agradecimento ficaram pendentes. Portanto, ao trabalho:


- Eu fui generosamente indicado pela Van para o " PRÊMIO CANETA DE OURO – POESIAS 'IN BLOG' 2007", idealizado por ANDRÉ L. SOARES e RITA COSTA , com o poema " O Sete". Para conhecer as regras desse evento clique AQUI .
Apesar de não gostar de concursos e afins, aceitei pela gentileza de quem me indicou e como apoio à iniciativa dos organizadores. Só resta saber se irão me aceitar....





- Recebi da Van (Esta menina não existe!) o selo "Este blog vale a pena conferir". Repasso para Palavras Atropeladas, Pensando Alto, Mundo da Joice, Sherazade e Jardim de Letras .





- E finalmente, recebi da Fernanda, do Prosa na Veia, a seguinte tarefa:
.
Pegar o livro mais próximo;
abri-lo na página 161;
procurar a 5ª frase completa;
postar a frase no blog;
não escolher a melhor frase nem o melhor livro;
e, finalmente, repassar o desafio para cinco blogs.
.
A minha frase:
.

"Acerquei de uma destas e, então, somente aquela água me pareceu viva, ali;"
O Falecido Mattia Pascal, Pirandello
.
os cinco blogs escolhidos são:
.
Palavras Atropeladas
Pensando Alto
Mundo da Joice
Sherazade
Jardim de Letras
.
Divirtam-se!

12 comentários:

Lidiane disse...

Me tirou da lista, é?
risos.
Tá, você me conhece BEM mesmo.
:)
Coisa querida.

Adon, amo a Legião e o Renato Russo. Já falei isso tantas vezes que virou lugar-comum.
Mas só até o disco 5.
:P

Canto junto toda vez que ouço uma música e não raro já viajei ao som da Legião pra aliviar o peso da estrada.

Parabéns pelas indicações, tá?
Merecidas.

ANA SEABRA disse...

Queridão,

Eu lembro quando vc publicou este texto que eu compartilhei da predileção pela Legião e pelo Renato.
E lembro que eu falei que eu achava o seu texto um dos melhores sobre o assunto.
Relendo, esta impressão se fortalece.

um beijão,
Ana

Rossana disse...

AMO o Renato e em mim ele vive diariamente.
Beijos meu doce amigo

Van disse...

Flor.....

Eu existo siiiiiiim! Juro!!!!
Ói eu aqui!

.................................

Chorei tanto, mas tanto quando o Renato morreu.... Não conseguia (e não queria) acreditar! Foi mesmo um ícone da minha (nossa) geração. Um bravo! Cheio de coragem e genialidade! Um raro!

Quanto aos agradecimentos...
Bem, você merece, né?

E eu ia te dar mais dois deles, só que como sei que você não gosta muito, respeitei.

Bom feriado, querido.
Beijuca

Ana paula disse...

Renato era the best!!!!!!!!

Tamara disse...

Para quê dizer EU TE AMO?

Prefiro decifrar os sinais.

......
Adão,

É perfeito o seu texto!

Lembra demais o Renatão (rs)...

......
Uau!

Quanta honra!

Quanto à tarefa será engraçado...

B-joletas

Fernanda Passos disse...

Ei! Ando sentindo tua falta moço talentoso e fã do Renato.
Beijo pra ti.

Eliana disse...

Adão, lembro desse post, gostei muito! Sinto falta do nosso Renato Russo!!!
Muito obrigada pela lembrança! Fiquei muito contente! Principalmente vindo de você, que eu admiro!
Vou cumprir a tarefa!
Beijos

Van disse...

Adão....
Passando pra dar boa noite!
Tá tudo bem?
Saudades docê, poeta!

Beijuca

Van disse...

Sincronicidade:

Sincronicidade é um conceito desenvolvido por Carl Gustav Jung para definir acontecimentos que se relacionam não por relação causal mas por relação de significado.
Basicamente, é a experiência de se ter dois (ou mais) eventos que coincidem de uma maneira que seja significativa para a pessoa (ou pessoas) que vivenciaram essa "coincidência significativa", onde esse significado sugere um padrão subjacente.

A sincronicidade difere da coincidência, pois não implica somente na aleatoriedade das circunstâncias, mas sim num padrão subjacente ou dinâmico que é expresso através de eventos ou relações significativos.
Acredita-se que a sincronicidade é reveladora e necessita de uma compreensão, essa compreensão poderia surgir espontaneamente, sem nenhum raciocínio lógico. A esse tipo de compreensão instantânea Jung dava o nome de "insight".

Jung afirmava que temos quatro funções básicas: razão, emoção, sensação e intuição. No nosso ser, geralmente uma delas é predominante. Mas quando trabalhamos internamente estas funções na direção do equilíbrio, uma nova função é acrescentada: a sincronicidade.
.................................

Sabe aquela impressão de que tudo está ligado? Pois está mesmo. A teoria da sincronicidade não explica cientificamente as coincidências nem pretende controlar o acaso. Mas nos ajuda a interpretá-las e a confiar mais na vida, acreditando que ela nos enviará a experiência certa na hora certa
..................................

Tudo isso só pra dizer que mais uma vez, eu estava aqui enquanto vc estava lá no VAN Filosofia!

Bonna notte, dear.
Procê e pra happy family de new baby!
;)

Sheherazade disse...

Adão, querido!
Fiquei tão envaidecida com as tuas homenagens, que nem sei o que dizer. Ainda bem que uma das tarefas já está cumprida; quanto à outra, vou publicar o selo, com todo o carinho do mundo, mas não prometo repassá-lo porque descobrí que quase nenhum dos meus fiéis leitores curte muito essa coisa de memes e afins e eu fico numa "saia justa" danada pra nomeá-los. Peço-te perdão pela infidelidade, agradecendo esse teu gesto carinhoso que tanto me deixou feliz.
Esse teu texto é uma das mais belas e contundentes homenagens ao genial Renato Russo. Não o conhecia, ainda, mas me emocionou muito perceber o efeito devastador que teve nos jovens da tua geração a perda irreparável desse verdadeiro "guru" do seu tempo.
Parabéns! É lindo, lindo, lindo!!!
Beijo graaaaaaaaaande!
PS: Talvez demore um pouco a postar, pois tô com problemas no PC, tá?

Edson Marques disse...

Tomei Cointreau com o Júnior algumas vezes...

Ele era mais do que diziam dele.

E do que dizem.

Quanto às musas: só na Mitologia Grega elas eram apenas 9... rs!



Abraços, flores, estrelas..

Postar um comentário

As opiniões aqui postadas são de responsabilidade de seus autores. O Autor do blog somente se responsabiliza pelo conteúdo publicado e assinado pelo próprio.