sexta-feira, 1 de dezembro de 2006

Por quem os sinos dobram?


“Nenhum homem é uma ilha isolada; cada homem é uma partícula do continente, uma parte da terra... a morte de qualquer homem diminui-me, porque sou parte do gênero humano. E por isso não perguntes por quem os sinos dobram; eles dobram por ti”. (John Donne)


Aquela senhora é instrumentadora cirúrgica e aos cinqüenta e quatro anos, filhos criados, acalenta o sonho de fazer uma grande festa para a comemoração de suas bodas de prata, no ano seguinte. Ainda que o casamento não esteja em seu ápice, intimamente ela se considera uma vencedora por ter conseguido casar com o homem que escolheu para o seu destino e apesar de todos os percalços, ter conseguido manter o casamento, por tanto tempo.

O seu marido, é profissional liberal e tem uma rotina definida para todo final de tarde. Enquanto a sua esposa pensa que ele está em seu consultório, ou visitando clientes, ele, como um viciado, ruma em direção às boates, onde acompanhantes de luxo, as scort-girls, proporcionam à ele, toda a satisfação que não consegue ter em casa. Ele não usa preservativos, pois acredita que nada de mal poderá lhe acontecer.

Aquela senhora não sabe, mas numa destas incursões de final de tarde, seu marido levará para casa o vírus HIV, que porá fim à sua família e às suas bodas de prata .

Aquela jovem estudante deveria terminar a faculdade no meio do próximo ano, e, noiva de belo rapaz, planejava casar-se dois anos após. A faculdade terminou e um pouco depois, devido à uma crise de ciúmes, o noivado também. Tempos depois voltaram, reataram o noivado e marcaram a data do casamento.

Aquela jovem não sabe, mas o seu noivo teve alguns casos fortuitos depois que romperam, e inadvertidamente, não usou o preservativo. E o vírus HIV apadrinhará a infelicidade de seu casamento.

Aquela criança, recém-nascida às vésperas do natal em algum remoto e miserável lugar do continente africano, do leste asiático ou do interior do Brasil, não sabe, mas terá pouco tempo de vida, pois herdou o vírus HIV de seus pais. Não terá tempo para descobrir qual o significado do natal ou da sua magia para as demais crianças, que tem maiores chances. Não terá tempo para nada, além do sofrimento causado pela doença, agavada pela ausência de tratamento adequado devido à miséria em que vive.

A AIDS, outrora vinculada erroneamente aos homossexuais, apresenta atualmente três importantes tendências: a Feminilização - as mulheres vêm se infectando cada vez mais, devido à irresponsabilidade dos parceiros, a Pauperização - atinge com mais força as camadas mais pobres de nossa sociedade; Interiorização- a infecção pelo HIV vêm se expandindo para o interior de nosso país;
.
Hoje em dia, o portador do vírus HIV que tem acesso ao tratamento adequado, pode viver perfeitamente como qualquer pessoa. Contudo, devemos conscientizar o quanto é importante evitar a doença.
.
A Conscientização é uma das melhores formas de combater a AIDS e todas as suas tristes histórias agregadas.
.
Porque os sinos, estes dobram por toda a humanidade.
.
.
Este post faz parte de uma blogagem coletiva sobre o Dia mundial de Luta Contra a AIDS , capitaneada pela jornalista gaúcha, Vera Fróes, no seu excelente Verdes Verdades. Vale visitá-la para saber mais sobre o assunto.
.
.
.
.
.

12 comentários:

Vera Fróes disse...

Adão, amei seu poste! Vc tem razão, claro que devemos permitir que quem tem Aids tenha acesso a tratamento e não sofra preconceito, mas o mais importante é evitar que outros não venham a ter a doença, para isso a conscientização é fundamental. Sexo com segurança!
Vc já está linkado. Obrigada pela participação.

Bjos.

Diana disse...

Boa Tarde....
Que os sinos dobre...em alerta....
Pela prevenção....pela segurança....
Bom final de semana....
Bjs...

luma disse...

Gostei da maneira como abordou o tema. Os exemplos acima nem se falam, mostram como, por serem ingênuos e pensar que Aids só acontecem com os outros, muitos estão se contaminando.
Beijus

Luci Lacey disse...

Gostei do seu post.

Bom final de semana.

Rossana disse...

Eu não consigo entender como, com tanta informação, ainda se alastra tal problema.

E a igreja católica condena o uso da camisinha.. alegando que dessa forma estará "aceitando" a traição..
Enfim..
Beijos

Tamara disse...

As pessoas têm consciência sim. E elas também têm a crença de que "estas coisas" só acontecem com os outros.

LÉA MARTINS disse...

É muito importante conscientizar, utilizar os veículos de comunicação para isto. É assustador o índice de contaminação nas mulheres atualmente. E vc com o seu dom da palavra, colocou isto muito bem, Adão! Muito bom!

sds / Léa

ANA PAULA disse...

E pensar em tantos que já se foram, vítimas deste mal.
Além da conscientização é necessário muita torcida para que os cientistas descubram o mais breve a cura. Bjs!

MARCELO disse...

Se as grandes instituições comerciais que hoje são os laboratórios, desejarem realmente descobrir uma cura...

Abraços

Lidiane disse...

Querido Adão.

Perdi uma grande amiga por causa de complicações causadas pelo HIV.
Doeu, doeu muito.
Doeu ver minha amiga linda e inteligente definhar.
Ela não imagiva que sabotar o tratamento fosse dar nisso.
Mas foi o que aconteceu.
Às vezes, só o que ela queria era carinho, afeto e um abraço. Eu fazia questão disso. Aprendi que o amor transmitido por um abraço e um cafuné pode ser eterno. Pra quem dá e pra quem recebe.
Dois anos já se foram e ainda dói.

ALEX FERREIRA disse...

Caro Adão,

Além do aspecto dramático da doença, que nos emociona e transtorna, gostaria de ressaltar que deveria haver maior vontade de erradicar o vírus, da parte dos líderes mundiais, e da comunidade científica que depende dos recursos financeiros para dar andamento às pesquisas.

um abraço,

LÍVIA MORAES disse...

Adão,
E o mais bizarro é que eu conheço muita gente que afirma que o perigo já passou e que a aids não é mais ameaça. Por isso eu acho muito importante divulgar. Como você fez aqui.
Abs

Postar um comentário

As opiniões aqui postadas são de responsabilidade de seus autores. O Autor do blog somente se responsabiliza pelo conteúdo publicado e assinado pelo próprio.