segunda-feira, 4 de dezembro de 2006

Este post é sobre um domingo de sol...



Este texto deveria ter sido postado ontem...

Mas como eram inúmeras as ocupações do mundo real (prazerosas ou não), acabou ficando para hoje.

Aquela história da felicidade estar numa prateleira ao alcance (ou não) das nossas mãos (só depende de nós), como vocês já devem ter lido aqui, foi inventada por mim, para uso próprio. Vocês sabem como é , cada um inventa a verdade mais apropriada para enganar aos outros. Ou a si mesmo.

Mas estava eu curtindo o glorioso sol de uma manhã de domingo despretensioso e matutando (na roça, matuta-se) em como a minha felicidade, ao passar dos anos estava ficando tão baratinha...

A questão, para mim, era se este seria um bom sinal ou não!

Os ingredientes: um lindo dia de sol, um pouquinho de silêncio no começo da manhã (para mim, é sagrado... quem tem filhos sabe o que eu digo), um suave aroma de essência de sândalo queimando no difusor, um bom reggae preenchendo o silêncio com melodia e ritmo...

Eu falei reggae? Eu não havia contado para vocês? Pois é, o Reggae é um dos gêneros musicais que eu mais gosto. Na verdade, como músico semi-profissional (ou semi-amador, depende do prisma) que eu fui, eu aprendi a gostar de música de um modo geral. Gosto de tudo. Mesmo. Mas como toda regra tem exceção, (aliás, todas as regras foram criadas para justificarem as exceções!), devo confessar que funk e pagode, somente utilizo para fins de reprodução, como recomenda a igreja.

Mas o reggae para mim, é música para o corpo, a mente e o espírito. O ritmo sincopado, aliado à harmoniosa melodia, inebria o corpo, as letras conscientes, engajadas e cheias de lirismo, encantam a mente. E o conjunto da obra eleva o espírito. Ouço de tudo, desde o papai Bob, aos fantásticos "Natiruts", dali de Brasília. E dá-lhe Jah.

Pronto, está feita a minha declaração de amor ao reggae. A ele devo a transformação de muitos dias modorrentos em dias multicoloridos e alegres. Como o dia de hoje...

Eu recomendo. Mas para quem não gosta, pode ser qualquer tipo de música, depende do gosto e do estado de espírito.

E com o dia chegando ao seu final, peguei a minha felicidade baratinha... dobrei-a e coloquei-a numa prateleira. Bem ao alcance das minhas mãos, é claro...



foto: Sunshine, sunshine, reggae... by Christof Benz

20 comentários:

Lidiane disse...

Primeironaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaa.

Oba! Post novinho e eu sou a primeira a ler.
A vida às vezes é boa... Boa como um domingo de sol beijando a pele.

Adorei o girassol. Eles sorriem pra gente, já reparou?

Uma beijoca musical pra você.

LÉA MARTINS disse...

Nada como um belo dia de sol para renovar as energias para começar a semana!
Ri muito com o seu Girassol!!!

sds / Léa

MARCELO disse...

Eu adoro uma banda nacional chamada tribo de Jah, você conhece?

É muito bom passar um dia leve e alegre, para variar um pouco.

ANA SEABRA disse...

Adao,
Que bom você estar atualizando com mais frequência e com bom humor!

O meu domingo também foi 10, mas foi com samba. rsrs

Beijinhos

Tamara disse...

Uau! Reggae? Nãaaao, não falou não. Que revelação {rs}!!!

Estou tentando (ainda!) te imaginar na cena: "... um suave aroma de essência de sândalo queimando no difusor, um bom reggae preenchendo o silêncio com melodia e ritmo..."

Eu não conheço reggae. Digo, no sentido de dizer se gosto ou não. Um amigo disse que me faria gostar. Mas...

Pelo menos sua prateleira está ao alcance das mãos. Ruim seria se estivesse na estante de platão.

B-jos.

ANA PAULA disse...

Adão,
Um beijo ensolarado para vc, ao som de "is this love".

Lidiane disse...

Tava pensando sobre o monstro de olhos verdes agorinha.
Definitivamente, não gosto dele.
:P

Beijo meu e da madrugada.

BEATRIZ MENDES disse...

Querido adão,
Lendo este teu texto eu reforço a certeza de que a felicidade, definitivamente, está dentro de nós!

Beijo,
Bia

Rossana Monteiro disse...

"O Reggae é um estilo de música originário da Jamaica. Bob Marley, cantor e compositor, é o ícone deste estilo musical. Em sentido mais amplo, Reggae pode referir-se a outros ritmos como ska, rocksteady, dub, dancehall e ragga.

O Reggae foi desenvolvido na Jamaica. Original da década de 60, divide-se em dois subgêneros, o “roots reggea” (o reggea original) e o “dancehall reggea”, que é originário da década de 70. O reggea é constantemente associado ao movimento rastafari, que, de fato, influenciou muitos dos músicos apologistas do estilo reggea nas décadas de 70 e 80. De qualquer maneira, o reggae trata de vários assuntos, não se restringindo à cultura Rastafari, como o amor, o sexo e principalmente a crítica social."

(...)Como um girassol, como um girassol.. amarelo, amarelo... (...)

CLÁUDIO SANTOS disse...

IRMÃO,

QUANDO ESTAMOS COM A MENTE EQUILIBRADA, QUALQUER LIMÃO VIRA LIMONADA!

ABÇS
CLÁUDIO

LORENA disse...

Querido,
Sabes por que eu gosto de vir aqui?
Além de seus textos maravilhosos, eu posso colher rosas brancas, vermelhas e girassóis para alegrar o dia.
Que todos os seus sejam felizes.
Você merece!

Beijos,

LÍVIA MORAES disse...

aDÃO, O alto astral é a chave prá tudo.
E eu adoro reggae. Cidade Negra, O Rappa, etc...

bjs

ALEX FERREIRA disse...

Caríssimo,
Funk e Pagode para fins de reprodução??? rsrsrs Eu estou rindo até agora. Mas deveriam ser controlados realmente pela convenção de Genebra...
Quanto ao reggae eu também curto, mas sou mesmo aficcionado pelo bom e velho rock.

Forte abraço

SAMARA DIAS disse...

Adão,

Eu gosto muito de essências, incensos, velas aromáticas, enfim, tudo relacionado à aromaterapia. Neste ponto, me identifiquei com o seu texto e posso afirmar que com a essência certa, consegue-se modificar o estado de humor em três tempos.

Uma boa sexta!

CRISTIANE LINS disse...

Oi Adão,
Li seu post e fique de alto astral! (risos)
É muito bom passar um dia em casa, na paz. Um bom final de semana para você.

Beijinho!
Cris

SILA GÓES disse...

Adão!
Estive um pouco sem tempo para visitar o seu blog, mas prometo que vou regularizar esta correria!

Beijos,

Anônimo disse...

Adão,
Eu achei tão interessante esta teoria sobre a felicidade, mas queria saber o porque que sempre colocamos a felicidade num lugar inacessível para nós?
Abs,
Aline

Vera Fróes disse...

Adão, quando a felicidade se torna baratinha, é porque já alcançamos a sabedoria.
Quem põe a felicidade em coisas materiais ou em coisas grandiosas, com certeza, tem tudo para ser infeliz.

Bjos.

Lidiane disse...

Né por nada não, mas outro domingo já passou e a audiência continua esperando atualização.
Com ou sem monstro de olhos verdes.
:P

ANA SEABRA disse...

E o domingo seguinte, como foi???? hehhehehe

Postar um comentário

As opiniões aqui postadas são de responsabilidade de seus autores. O Autor do blog somente se responsabiliza pelo conteúdo publicado e assinado pelo próprio.