segunda-feira, 10 de abril de 2006

Ainda que pereça

Eu pensava nos meus escritores favoritos como hábeis e valentes esgrimistas, a conduzir as palavras com elegância e maestria, a ponta da caneta como a ponta do florete. Mais um mito de meu passado que morreu com o passar do tempo. As palavras têm vida própria. Elas escolhem o autor e gritam: registre –nos!
Há mais de uma semana que algumas palavras passeiam ao meu redor, sussurram ao meu ouvido, gritam à minha frente: “Ainda que pereça”, “o amor”, “vale a pena”...
Ouvi o apelo, e tentei colocá-las no papel de várias maneiras, contudo, meu pensamento cartesiano, infligia-me a obrigação de encontrar a conclusão para a proposição: “O amor vale a pena, ainda que pereça.”
O impasse rendeu dois textos que apresento a seguir, e a certeza que a proposição acima não precisa de conclusão, pois o amor assim como a vida, vale a pena, ainda que um dia pereça.

4 comentários:

Lidiane disse...

O que vale, é o amor à pena!
;)

Beijos.

Tamara disse...

Vale à pena enquanto existir amor. Mesmo que este amor seja renovado e/ou inovado.

Anônimo disse...

I say briefly: Best! Useful information. Good job guys.
»

Anônimo disse...

Interesting website with a lot of resources and detailed explanations.
»

Postar um comentário

As opiniões aqui postadas são de responsabilidade de seus autores. O Autor do blog somente se responsabiliza pelo conteúdo publicado e assinado pelo próprio.